sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Valor a dever


Bom sujeito, o que foi feito das pessoas de boa fé, boa fala e bons costumes? Onde se esconderam? Aonde foram, afinal?

Do jeito que vamos, arrisco dizer que falta palavra de homem por aí e faltam porquês para explicar isso... seria objetivo se não fosse tão superficial.

Tantos são os pequenos que não pedem licença, que ofendem à toa, filhos feios de mulheres postiças que vivem para chamar a atenção dos homens cujas vitórias são compradas. Não é balela da oposição, é vaidade da geração que se engana e se rende (isso quando não se vende) para preencher necessidades inventadas, partes de falsas mais-valia.

E onde mora a razão hoje?

Bom sujeito, concordo com dor no peito: eles ostentam o desejo por uma melhor posição, e a imposição é que se aceite sem reclamar, senão incomoda. Eu ignoro a regra e grito o Direito, cada vez mais alto, já que eles ouvem e fingem desentender.

Meu bom sujeito, você é simples por escolha, composto por opinião determinada; sei que você ainda será comum entre muitos no dia em que a fantasia que agride este país perca o crédito e que a palavra “dever” tenha cada vez menos a ver com “dívida”.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Contragosto

Apesar de acontecer a contragosto, ser público de piadas infames é tão comum que cai no consenso de maiorias como se nada de mais acontecesse. Há quem duvide de tantas dívidas, há quem divida muitas dúvidas. Para esclarecer, esta é uma homenagem para os doutos que nada sabem e ocupam altos cargos, sem o menor propósito ou compromisso, sentados logo ao lado dos entendidos que manipulam massas e escondem o que há de mau (e pior) atrás dos mesmos sorrisos que conseguiram a confiança do seu voto num domingo de outubro. Se este é um país sério, é curioso pensar em como leis são criadas sem sentido e sentidos de ruas se modificam, sem mais, quando é por bem menos que cidades são pavimentadas com mentiras encobertas pelas promessas esquecidas no fundo de gavetas. Nos dias de hoje, calar-se em meio a tantos males é engolir gritos presos já faz muito tempo. Seja legal, faça com gosto, sinta-se bem; manifestar o pensamento é um ato livre.

(Marco de Moraes)

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Várias e única (às Marias)

Calor de fogo no feijão, fundo no barro da panela; colher de pau distraída na mão, os olhos firmes na janela. Além de pulsos e suspiros inocentes antes do jantar, no peito de Maria cabia a falta de Severo, seu homem, que desde ontem saiu para trabalhar confortando um copo de café na barriga e um pão enrolado em panos. Apesar de breves, suas despedidas tinham o encanto do sabor de bem-querer, sempre após o galo cantar, um tanto antes de o dia nascer, e faziam de Maria Moça solitária desde as primeiras às últimas horas de cada dia.
       Jovem quase pronta, ela tinha desejos de mulher, dona de feições meninas cujos sorrisos ante a fogueira na sala sossegavam os receios da promessa que fizera ao consorte: proteger o filho bebê sem jamais negar ninar, além de oferecer peito a cada choro pedinte e colo ao menor gemido no berço magrelo ao lado da cama.
       Suor dele lá, esforço dela cá. Os afazeres eram muitos, as horas sem relógio pareciam uma. Maria Morena deixava cair os fios negros sobre o ombro que segurava o leve vestido florido enquanto espiava a porta da frente, além da janela e quintal, isso antes de varrer todo o chão de tal sorte a enxotar o pó e as incertezas, antes mesmo de despir os pés para se ajoelhar e pedir em preces a Padre Cícero que nunca faltasse um grão sequer em casa.
       Flor difícil do sertão, Maria Sonhosa via muito no redor modesto, de poucos porquês, morada em que habitava a certeza de que nacos de giz e uma louça rachada serviriam para educar um filho como ninguém mais seria capaz. Não à toa, o amor de Maria Mãe ia muito além de apenas dar à luz.

(Marco de Moraes)

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Foi dia 23


A manhã já era tarde, porém não demais para que o tempo tomasse as minhas chances de estar bem. Levantar me custou um proveito que apenas a minha preguiça sobre a cama quente saberia explicar naquele dia de março em que decidi esquecer os ponteiros na escrevaninha revirada, aliás, quis jogar fora qualquer bilhete de compromisso, pois reuniria as pessoas que me querem o melhor para comemorarmos o dia, onde quisesse que fosse. Salve! Propor pisar pelas ruas com as sandálias calçadas foi questão de um estalo, então me atrevi a atravessar junto de dois amigos para um bairro que havia muito não visitava. Se a ida foi boa, a volta foi melhor. Como foi bom receber apertos de mão e o abraço da chuva que limpou a alma como só ela faria... Salve! Os convidados iam-se chegando, todos se ajeitando sem reclames num espaço onde qualquer um duvidaria reunir tanta gente. Lá couberam as piadas infames, coube quem comesse jujuba pela falta do que fazer, coube a música alta e ainda coube uma voz que latia sem razão, tudo misturado com a bebida dos risonhos, um tanto de sal e limão. Salve! Um dia inteiro num segundo, história para contar com brilhos nos olhos para quem quiser ouvir. A noite já era tarde, contudo não demais para agradecer com as mãos para o céu ao povo que esteve todo o tempo comigo e eu sei que eles nunca, nunca me deixarão sozinho.

Em homenagem ao aniversário de um dos meus amigos do peito.

(Marco de Moraes)

sexta-feira, 29 de março de 2013

Bons frutos


        O que sobrou foram as sementes. Severo seria, além de um bom mentiroso, menino teimoso se espalhasse para os quatro ventos que os frutos de acerola do quintal de casa eram coisas bobas, nada de mais. 
       - Desce dessa árvore agora! - não havia um dia sem um desses berros vindos da sua mãe. Adultos eram chatos, então seguia as vozes das crianças que só ele ouvia nas brincadeiras de menino solitário que perdiam a hora encontrando mil desculpas para uma estória ou outra ter o final feliz mordiscando daquelas pequenas. Não havia ambições. Como entender as queixas do pai acerca dos males do mundo, se para sorrir bastavam acerolas? Naqueles poucos metros de chão vivia uma família simples, de roça, que um dia partiu para visitar um parente distante que adoeceu. Sem ter as passagens, venderam a casa ao vizinho da frente por um mero trocado. Além disso, confiariam o menino aos seus cuidados quando prometeram o retorno que nunca aconteceu. Severo era como o pai: pensava, fazia, então resolveu crescer por si só naquele meio, ser um bom cabra. Como viu a árvore ser derrubada pelo simples desgosto do homem da casa, o menino partiu com saudade deveras chorosa. Antes de ir de vez, arou com os dedos um bocado de terra perto da casa e ali cobriu duas sementes... Calos nas mãos, inchada; braços firmes, labuta; os pelos no rosto eram vivência. Foi-se o tempo longe. A saudade do passado bom o convenceu a voltar. Ao chegar, pôs o chapéu no peito, ficou um tanto sem jeito, silenciou. Apesar de os poucos metros da sua infância estarem vazios, um pé de acerola crescera na terra que arou, pé em que uma mulher descansava recostada. Severo se ajeitou sorrateiro no outro lado do tronco.
       - Sabe, moço, essas frutas são boas, olhe aqui estas sementes!   
       Severo enfim entendeu que, mesmo em tempos de mágoa, é possível colher bons frutos quando se planta amor.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Percepções

Finda sombra, deixei os temores de lado para entender o que é prezar por um abraço distante. Aqueles dias cinzas se foram, então afirmo: pisar descalço o chão firme também se faz possível após lições que não prestamos atenção, mas que aprendemos com chegadas, com despedidas; são condições. Por assim dizer, sorrisos ingênuos atraem semelhantes, já caretas conquistam solidão.  Não raro vemos o mundo permanecer o mesmo, com o mesmo deboche e os contras impostos antes das nossas insatisfações. O que é nosso? O que vem de fora? E a culpa, influencia? O que se modifica nisso? Um elogio pode soar ofensa na medida da inquietude do nosso espírito, então cabe afastar as nuvens negras da tempestade apenas abanando as mãos. Pode não parecer nada, mas é. Não existe réu quando seu céu está azul.


(Marco de Moraes)

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Versibus

Quantos versos cabem num universo?

E no seu?

sábado, 15 de dezembro de 2012

Visões de mundo

Do exterior, enxergamos
todo um mundo
ou parte.
Do interior disso, pensamos
e do fundo
trazemos arte.

Entenda os movimentos
das linhas que nem medi.
O que existe são expressões
bem como as contruções
cujas poesias são ornamentos
sobre todas as coisas em si.


(Marco de Moraes)

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Tino

Quanto se pode apreciar a chegada a um final, seja vitorioso ou derrotado, sem que haja vivência no meio?

Lute,
aprenda,
viva.

(Marco de Moraes)