quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Esplendor singular (Sirius)

Estrela noturna, que chega soturna a enveredar os anseios desta alma irrequieta e pedinte de amanhãs melhores, vem, aparece e responde o meu grito ao poente que atestou a fuga do intenso calor vermelho intento por vivificar o verdor campestre. Estrela silente, dança pelo nosso céu e descobre o véu a nublar a noite antes da próxima tempestade cuja vontade por encharcar-nos amedronta-nos pelos seus feixes de luz irritadiços e broncos – o conforto consequente existe enquanto o vento assobia pelas frondes diversas à boa vista. Sê boa comigo e absolve o castigo teimoso a perdurar pela saudade que me agride até o anoitecer, vezes rotineiras as quais me despeço com vênias sem o menor arrependimento. Traz a verdade sem pejo, o desejo absoluto e a cura deste enfermiço convencido de que o teu brilho pulcro é ímpar e o teu existir foi escolhido e acolhido pelo destino por me encher os olhos de um fulgor capaz de causar inveja às nereidas sob o mar. Mostra tua força e impulsiona o mundo norteando com luz opaca os transeuntes de vidas vazias que vivem a reclamar, exaustos por rodearem as próprias costas em hábito desditosos. Que o descaso se omita e eu possa avistar e apontar com orgulho a fim de expor a todos os teus contornos luminosos em noites de lua cheia a inspirar os poetas, a indagar os amantes da vida e a arrancar dos lares os musicistas. A orquestra desconhecida que se formará em festa aberta será bastante esperta a entoar canções para pularmos sorridentes a fim rejuvenescermos as vontades recônditas em desleixo. Estrela ouvinte, que em seguinte deixo descansar sonolenta após noite agitada, tu próspera sempre aguardada a cerca do luar percorrerá toda a lona escura infinita e em prazer eterno nos haverá de encantar. Estrela, aqui venho implorar para ter a tua promessa que nunca irá se apagar.

4 comentários:

  1. prefiro as palavras mais cruas, mas está bom na proposta.

    ResponderExcluir
  2. Se aceitas o comentário de uma humilde bióloga que gosta muito de literatura... achei lindíssimo!

    ResponderExcluir
  3. Acho que o cozimento está no ponto, ao/al dente,rsrs, manda sempre bem, Marco, texto sofisticado. abraço. eugenio.
    PS.: gostaria da tua opinião do meu tijolo/crônica "Natal Total", no Talentos. Crítica sincera, pode meter o pau. Se achar melhor mande para o meu e-mail: sougenio@gmail.com
    gratíssimo.

    ResponderExcluir
  4. Que coisa...ontem mesmo estava eu e Thalles olhando pra Sirius na fila do ônibus. A gente na fila,não a estrela u_u claro ><.

    ResponderExcluir